Facebook
Contato
Mapa do Site
Acessibilidade
A+
A-
Contraste
Retornar acessibilidade

Notícia

Mais qualificação para profissionais do HGNI


Publicado em: 18/07/2018 12:55 | Fonte/Agência: Comunicação Social / Cisbaf | Autor: Claudia Souza

Mais qualificação para profissionais do HGNI



Dando continuidade ao projeto de educação permanente das equipes, curso visa qualificar a assistência

  

Classificação de Risco foi o tema central do treinamento dos enfermeiros do setor de Emergência do Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI) ministrado, nesta terça-feira (17), pelo Núcleo de Educação Permanente da Baixada Fluminense (NEP/CISBAF), no auditório do Centro de Estudos da unidade. A capacitação é uma continuidade do plano de educação permanente das equipes do hospital e visa qualificar a assistência aos pacientes que chegam à unidade nos casos de urgência e emergência. O projeto é uma parceria entre o Cisbaf, a Escola de Governo da Prefeitura de Nova Iguaçu e o HGNI.

A classificação de risco é uma ferramenta utilizada nos serviços de urgência e emergência que propicia avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Ou seja, trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, feira por um profissional devidamente capacitado, do ponto de vista técnico e científico.

– Com o avanço dos protocolos em todo o mundo com a finalidade de melhorar a classificação de risco do paciente que chega ao hospital pela emergência, é fundamental reforçarmos periodicamente essas informações junto à equipe responsável por este trabalho. A assertividade deste profissional na classificação irá fazer a diferença na gravidade dos sintomas e no quadro geral do paciente. Antigamente, a entrada dos pacientes aos serviços de urgência e emergência acontecia por ordem de chegada, ou era realizada uma seleção/triagem por profissional não capacitado, resultando em sérios prejuízos à saúde do paciente, aumentando o risco de morbidade e mortalidade – explica a coordenadora do NEP/Cisbaf, Dra. Sonia Zimbaro, que conduziu a aula.

Durante a apresentação, Zimbaro enfatizou os protocolos adotados no país e exigidos pelo Ministério da Saúde, bem como provocou entre os participantes o debate através da exibição de casos diversos.

 


Voltar
Top